Palpites dos Óscares

PARABÉNS,
Isabel Dantas

PALPITES DOS ÓSCARES 2022

Parece que a sorte — e o cinema — estão do teu lado: foste o/a grande vencedor/a dos Palpites dos Óscares 2022. Ganhaste uma viagem para duas pessoas a Los Angeles.

Estás de olho no prémio? Então põe os olhos na programação: de 21 a 27 de março, estendemos a passadeira aos vencedores de Hollywood, na «Semana dos Oscares» — um especial composto por 7 filmes oscarizados (6 deles em estreia absoluta no canal), para ver ou rever ao longo de uma semana. Fica atento/a — em breve, revelamos tudo.

Entra em

Hollywood

Grauman’s Chinese e Kodak: dois teatros que fazem parte da história do cinema. Nas proximidades da Hollywood Boulevard, está o Grauman’s Chinese Theatre, ou Teatro Chinês, onde já se realizaram 3 edições dos Óscares e acontecem estreias de grandes produções em Los Angeles. Em 2002, a cerimónia foi transferida para o Kodak Theatre, anexo ao shopping Hollywood & Highlander Center.

Tatum O'Neal foi a mais jovem vencedora de um Óscar, tendo recebido o de Melhor Atriz Secundária em 1974 por «Lua de Papel», quando tinha apenas 10 anos. Muito antes, em 1935, quando se atribuíam Óscares juvenis, Shirley Temple tinha ganhado um aos 6 anos. Anthony Hopkins, no extremo oposto, recebeu o Óscar de Melhor Ator aos 83 anos, pelo filme «O Pai» (2021).

A Walk of Fame, ou Passeio da Fama, surgiu em 1953, quando o presidente da Câmara do Comércio de L.A. teve a ideia de colocar os nomes das celebridades da cidade nos passeios de Hollywood. Hoje, conta com 5,6 quilómetros e mais de duas mil estrelas. A primeira pessoa contemplada? Joanne Woodward, atriz de «As Três Faces de Eva».

Seis minutos. Foi o tempo do discurso de vitória mais longo da história dos Óscares: o de Greer Garson, que ganhou o Óscar de Melhor Atriz por «A Família Miniver» em 1943, numa época em que a cerimónia era só parcialmente emitida pela rádio. Já o discurso mais curto pertence a Patty Duke que, ao ganhar com apenas 16 anos o Óscar de Melhor Atriz Secundária por “O Milagre de Anne Sullivan” em 1963, disse apenas «Obrigado.»